GERÊNCIA DE QUALIDADE INAUGURA ESPAÇO DE TREINAMENTOS E GESTÃO

A manhã desta terça-feira, dia 16 de setembro, foi marcada pela inauguração do novo espaço de Qualidade do Hospital São José (HSJ). O setor foi criado para acolher os colaboradores com foco no objetivo de disseminar a cultura da Qualidade no Hospital. “Nosso principal objetivo é preparar nossos colaboradores, através de treinamentos constantes, visando a satisfação e a segurança dos nossos pacientes”, contou a gerente de Qualidade, Liliane Oliveira de Carvalho.

O novo Espaço da Qualidade conta com recepção e quatro salas distintas: Gestão, Laboratório de Simulações e Educação Permanente, Sala de Reuniões e Sala de Estudos. “A sala de estudos tem foco voltado basicamente para realização de treinamentos por audiovisual”, explicou Liliane. Nesse espaço, serão privilegiados treinamentos online de hospitais de referência de curta duração para que haja uma melhor absorção. “Para esses treinamentos serão emitidos certificados de participação”, complementou a gerente.

Com a criação do novo espaço, a gerência de qualidade inicia uma nova etapa em seus trabalhos, desenvolvendo projetos específicos como a apresentação do Programa de Qualidade, o início da Gestão de Processos e a implantação do Programa de Educação Permanente. Segundo a gerente, a expectativa é de que as salas estejam ocupadas constantemente.

O espaço foi inaugurado com um café da manhã, onde estiveram presentes o diretor executivo do HSJ, Danilo Leon, o diretor técnico, Dr. Marcelo Vettore e os demais gerentes da instituição, bem como diversos líderes e colaboradores. Roseli Müller, gerente de Recursos Humanos do Hospital elogiou o novo espaço: “Não é apenas da Qualidade – agrega valor para todo o Hospital”. Para Danilo Leon, a iniciativa tem como objetivo perpetuar o conhecimento dentro da instituição e aproximar ainda mais nossa realidade dos pacientes.

Médicos prestigiam lançamento de Protocolo de Cirurgia Segura no Hospital São José

A Direção Técnica do Hospital São José (HSJ), em parceria com as gerências de Enfermagem e Qualidade, promoveu o evento de lançamento do seu Protocolo de Cirurgia Segura (PCS) na terça-feira, dia 23 de julho, às 7h, no Centro de Estudos. O evento, que teve como público alvo os médicos da Casa foi o lançamento do Protocolo, que será implementado em breve.

A apresentação do documento foi feita por membros das equipes de enfermagem ligados ao Centro Cirúrgico e durou cerca de 40 minutos. O PCS do São José é baseado no Protocolo do Ministério da Saúde (MS) – Portaria nº 1.377, de 9 de julho de 2013 -, cuja finalidade é: “Determinar as medidas a serem implantadas para reduzir a ocorrência de incidentes e eventos adversos e a mortalidade cirúrgica, possibilitando o aumento da segurança na realização de procedimentos cirúrgicos, no local correto e no paciente correto, por meio do uso da Lista de Verificação de Cirurgia Segura desenvolvida pela Organização Mundial da Saúde (OMS)”.

“Esse é um caminho sem volta”, comentou Dr. Marcelo Vettore, Diretor Técnico do HSJ ao final da apresentação. “Estamos trabalhando em todos os setores para aumentar a cada dia as condições de segurança dos nossos pacientes e o PCS faz parte de um processo que envolve todos os setores do Hospital”.

Após a apresentação, diversos cirurgiões fizeram observações sobre o Protocolo. “Precisamos manter a essência do PCS, tal qual como preconizado pelo MS e OMS, mas o documento deve sofrer adequações para adaptar-se à nossa realidade”, salientou o diretor técnico. Ao final da reunião, o diretor técnico agradeceu a presença de todos e salientou que a implantação do Protocolo será realizada assim que as adequações necessárias forem realizadas.

O diretor executivo do HSJ, Danilo Leon, comemorou a iniciativa, lembrando que a participação dos cirurgiões é fundamental no processo de implantação do PCS. “Assim como as equipes de enfermagem, os cirurgiões são diretamente afetados pela implementação do Protocolo, por isso é importante que eles participem dessa etapa de finalização do documento. Com esse processo, damos mais um importante passo dentro das diretrizes de melhoria contínua da qualidade dos serviços prestados”, finalizou Leon.

ACSC realiza 1º Encontro de Sustentabilidade Ambiental

No último dia 24 de junho, terça-feira, cerca de 120 pessoas de todo País participaram do 1º Encontro de Sustentabilidade Ambiental promovido pela Associação Congregação de Santa Catarina (ACSC). Cerca de 50% desses participantes interagiram por videoconferência, uma vez que a reunião aconteceu na Superintendência da ACSC, que fica em São Paulo. O diretor executivo do Hospital São José (HSJ), Danilo Leon participou do evento juntamente com seus gerentes e assessores também por videoconferência.

Na fala de abertura, o superintendente da Associação, José Luiz Bichuetti lembrou que a Responsabilidade Corporativa Ambiental é um dos eixos estratégicos da ACSC. “Sustentabilidade nasce dentro de casa, temos que ensinar nossos filhos e depois isso será inserido no meio corporativo. Enquanto instituição comprometida, estamos fazendo nossa parte”, disse Bichuetti.

Durante todo o dia do Encontro – que ocorreu das 8h às 18h – representantes de diversas Casas da ACSC falaram sobre suas experiências de sustentabilidade, formando uma rede de troca de informações e expertise sobre ações de proteção ao meio ambiente. Além de ações internas com vistas à autossustentabilidade e preservação ambiental, como captação e utilização de água de chuva (para lavagem de pátios, rega de hortas e canteiros de flores, descargas, etc), compostagem de resíduos sólidos e separação de lixo reciclável, diversas casas apresentaram projetos que envolvem a comunidade de seu entorno.

O Hospital São Luiz, de Cáceres, MT, por exemplo, citou duas ações já realizadas este ano de limpeza das margens do Rio Paraguai. Nas duas ações, cerca de 1,7 tonelada de lixo foram retiradas pelos colaboradores voluntários do Hospital. Já os colaboradores do Hospital Madre Regina Protmann, de Santa Teresa, ES, citaram as ações de reflorestamento de áreas degradadas por enchentes e deslizamentos no município.

Uma das ações de sustentabilidade do HSJ, a criação da Estação de Tratamento de Efluentes (ETE) do Hospital, foi apresentada no período da tarde pelo gerente de infraestrurura João Nononono. Ele explicou a importância de cuidar do esgoto do Hospital e como tal atitude impacta positivamente o ambiente de Teresópolis.

No final do Encontro Danilo Leon elogiou a iniciativa. “O cuidado com o meio ambiente não é novidade para nós, mas o Encontro foi muito produtivo, pois pudemos entrar em contato com ações desenvolvidas em outros hospitais, escolas e demais casas da ACSC. Essa troca de experiências enriquece nosso cotidiano e alinha as ações”, finalizou o diretor.

Setor de Oncologia inova com a criação de protocolo de segurança

Com o objetivo de otimizar os processos que visam a segurança dos pacientes que utilizam a Oncologia do Hospital São José (HSJ), a equipe de enfermagem do Setor criou um novo processo de conferência de medicamentos, a Tripla Checagem. Através desse processo, todos os medicamentos são checados três vezes por diferentes membros da equipe antes de ser administrado no paciente.

São conferidas em cada etapa de checagem o nome do paciente, medicamento a ser infundido e dosagem”, conta Alexandra Gallindo, enfermeira coordenadora do Setor de Oncologia. “Quando recebemos prescrição do médico ela é reimpressa em duas vias e enviada à Farmácia para manipulação. Em seguida procedemos com a confecção das fichas com cores com o nome e a dosagem do medicamento; a segunda checagem é feita quando recebemos o medicamento da Farmácia (a medicação já vem identificada da Farmácia com uma etiqueta onde constam todos os dados necessários para administração do medicamento e é realizada a checagem com a etiqueta da medicação e prescrição médica) e finalmente checamos pela terceira vez no imediato momento que antecede a infusão do quimioterápico”, conta a enfermeira.

Embora muitas pessoas desconheçam, existem vários tipos de medicamentos quimioterápicos. Para cada patologia são administrados medicamentos diferentes e cada um obedece a critérios e ordens que devem ser observados antes e durante a aplicação no paciente. “Para facilitar nosso trabalho, com vistas à segurança do paciente, criamos fichas com cores para cada tipo de medicamento. A ficha é colocada na cadeira do paciente, ao lado do suporte de soro. O projeto deu tão certo que até os pacientes já conhecem as cores das fichas que recebem juntamente com sua medicação”, conta Alexandra.

Criada há cerca de três meses, a Tripla Checagem foi baseada em Protocolos Quimioterápicos, do livro “Enfermagem em Terapêutica Oncológica”. Para o gerente de enfermagem do HSJ, Paulo Bastides, o projeto é um sucesso. “A história da enfermagem é feita de ações simples que levam a grandes resultados. Essa iniciativa é um exemplo disso”, comentou.


Já o diretor executivo do São José, Danilo Leon, considera o processo como caminho natural a ser trilhado pelos colaboradores. “Estamos buscando qualidade e segurança do paciente em todas as áreas. Iniciativas como esta vêm de encontro ao Hospital que estamos construindo, buscando a cada dia a melhoria dos nossos processos internos”, finalizou o diretor.

Colaboradores do Hospital São José participa de Corrida e Caminhada contra o Câncer de Mama no Rio

Cerca de 25 colaboradores do Hospital São José (HSJ) participaram da Corrida e Caminhada contra o Câncer de Mama - Circuito 2014 – realizada no último domingo, dia 18 de maio. O evento, que acontece desde 1999, mais uma vez foi realizado no Aterro do Flamengo e contou, nesta edição, com cerca de 8,5 mil atletas e simpatizantes da causa. Na oportunidade o HSJ participou como entidade beneficiada, recebendo um cheque de R$ 45 mil.

A Corrida e Caminhada contra o Câncer de Mama é promovida pelo Instituto Brasileiro de Controle do Câncer (IBCC) e tem como objetivo principal contribuir para a conscientização da população sobre a importância da prevenção. “O câncer de mama tem cura, mas precisa ser diagnosticado cedo, então é muito importante a prevenção contínua”, salientou Onésimo Affini, produtor executivo da campanha “Câncer de Mama no alvo da Moda” e organizador da Corrida.

Este é o terceiro ano consecutivo que o HSJ participa do evento como entidade beneficiada. Além disso, em todas as oportunidades diversos atletas amadores – colaboradores do Hospital – aproveitam a oportunidade para correr e caminhar junto aos entusiastas da causa. Neste ano, a equipe do São José saiu cedo de Teresópolis para participar. O colaborador do setor de Tecnologia da Informática (TI), Robson Teodoro Rodrigues da Silva participou da Corrida pela primeira vez  e gostou muito. “Foi muito divertido! Além de conhecer um pouco mais o trabalho do Hospital onde trabalhamos, tivemos a oportunidade de interagir com nossos colegas, inclusive com nosso diretor, o que foi muito bom”, comentou Robson.

Além dos atletas, a corrida contou também com a presença de diversos artistas da TV Globo, como Ângela Vieira, Vanessa Geribeli e Miguel Tirrè, entre outros, todos levando seu incentivo à campanha de conscientização para prevenção do câncer de mama.

Para o diretor executivo do HSJ, Danilo Leon, a participação do São José como entidade beneficiada reflete o reconhecimento do trabalho que a Associação Congregação de Santa Catarina (ACSC) vem realizando junto aos pacientes oncológicos. “Em nosso setor de oncologia recebemos pacientes de toda região, com diversos tipos de enfermidades oncológicas e disponibilizamos atendimento e tratamento em todos os níveis de atenção. Dessa forma cumprimos nosso papel junto à população, fortalecendo nosso compromisso com os mais necessitados”, enfatizou o  diretor.

HOSPITAL SÃO JOSÉ IMPLANTA CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SEU P.A.

O Hospital São José (HSJ), de Teresópolis, comemora o sucesso da implantação do Processo de Classificação de Risco, que começou a funcionar no setor de Pronto Atendimento (PA) do Hospital no início de fevereiro deste ano. A medida foi adotada, segundo o diretor executivo da Casa, Danilo Leon, com o objetivo de otimizar ainda mais os serviços prestados no PA do São José. Classificação de Risco é o nome do processo criado pelo Ministério da Saúde (MS) através da Portaria 2.048, que propõe o acolhimento e a “triagem classificatória de risco”. Segundo a determinação do MS, a Classificação deve ser realizada por profissional de saúde de nível superior, mediante treinamento específico e utilização de protocolos preestabelecidos.Esse processo tem por objetivo avaliar o grau de urgência das queixas dos pacientes, colocando-os em ordem de prioridade para o atendimento.  A Classificação de Risco foi implantada no setor de PA do HSJ em 3 de fevereiro e desde  então tem apresentado resultados satisfatórios. Segundo Renato Rabes, enfermeiro responsável pelo setor, a resposta tem sido boa em todos os sentidos. “Com a Classificação de Risco podemos organizar o atendimento prestado aos pacientes de forma mais efetiva, o que é bom para os profissionais e mais ainda para os pacientes.

Segundo o enfermeiro, o novo método já proporcionou diversas provas práticas de sua eficácia. “Vivenciamos há poucos dias o caso de um paciente cujo infarto iminente foi detectado durante a classificação e o mesmo foi tratado imediatamente. Como naquele momento a doença não apresentava sintomas, o problema poderia se agravar muito caso o paciente não fosse diagnosticado antecipadamente”, contou o enfermeiro.

O Processo de Classificação de Risco envolve também diretamente os colaboradores do setor de atendimento, cuja participação efetiva vem contribuindo para o sucesso da implantação do sistema. Segundo Alessandro Cahet, supervisor de atendimento e um dos entusiastas do novo processo, a satisfação do cliente está evidente. “Não tivemos reclamações durante o período de  implantação. Pelo contrário: os pacientes estão recebendo mais atenção, o que gera satisfação inclusive os acompanhantes”.

A implementação do Processo de Classificação de Risco tem apresentado bons resultados graças ao trabalho de interação dos setores, o que fortalece a noção de força do grupo HSJ. Dessa forma, o setor de Tecnologia da Informação (TI) implementou – a partir de 17 de fevereiro – o Painel Eletrônico, agilizando ainda mais o processo de Classificação. “A informatização da Classificação de Risco traz mais transparência ao processo, gera confiança e credibilidade”, informou Leonardo Costa, coordenador de TI. Para Danilo Leon, os resultados vão de encontro aos objetivos traçados para o São José. “Estamos com foco na mudança e na melhoria dos processos, visando mais satisfação dos clientes pacientes e de nossos colaboradores. O sucesso da Classificação de Risco é uma prova de que estamos no caminho certo. Vamos em frente, muito há ainda a ser feito”, finaliza o diretor.

Hospital São José promove palestra sobre doenças da próstata

O Hospital São José (HSJ) promoveu, no dia 27 de novembro, quarta-feira, às 15h, uma palestra com o tema “Doenças da Próstata”. O evento faz parte das atividades programadas pelo Setor de Oncologia para celebrar o Novembro Azul – campanha de conscientização dirigida à sociedade e aos homens em especial sobre a importância da prevenção e do diagnóstico do câncer de próstata e outras doenças masculina.

A palestra foi proferida pelo urologista e chefe do setor de urologia do HSJ, Manoel Pombo. Com o auditório lotado de colaboradores – em sua maioria homens – Pombo falou sobre as diversas doenças que podem acometer os homens a partir dos 50 anos. O médico falou sobre a prostatite (infecção aguda ou crônica causada por bactérias); hiperplasia benigna da próstata (aumento benigno do volume da próstata) e sobre o câncer.

“Essa é a segunda causa mais comum de morte por câncer nos homens”, alertou Pombo. Ainda segundo o médico, dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), atualmente há 400 mil casos no Brasil. “No entanto, o diagnóstico precoce pode salvar muitas vidas. A estimativa é de que apenas 6% dos casos diagnosticados precocemente levem a óbito dos pacientes”.

O palestrante explicou ainda que casos de câncer de próstata são diferentes para cada homem. “É sempre importante levar em consideração o perfil de risco, tais como idade, hormônios, histórico familiar, raça, país e alimentação”. (Confira no quadro abaixo o grupo de risco, sintomas e tratamentos para a doença).

Outro grande problema é que o câncer de próstata é assintomático no início. Por isso a importância do diagnóstico precoce, que é obtido através do exame de PSA (exame de sangue que indica possibilidade do paciente ter câncer de próstata) e toque retal.

Ao final da palestra foram sorteados brindes para a platéia. Segundo Danilo Leon, diretor executivo do São José, esses eventos são importantes porque trazem informações aos colaboradores. “Nossos esforços hoje estão concentrados na busca pela qualidade no atendimento aos nossos pacientes. Essa qualidade começa pelos nossos colaboradores, que dão o melhor de sua contribuição profissional a esta instituição”, informou o diretor. Além da palestra, foram distribuídos folhetos explicativos, marcadores de livros e fitas azuis (símbolo da campanha).

Grupos de risco:

  • Homens a partir dos 50 anos de idade
  • Com histórico familiar
  • Homens de raça negra
  • Maus hábitos alimentares e sedentários

Sintomas:

A maioria dos cânceres de próstata cresce lentamente e não causa sintomas. Entretanto, caso o tumor já esteja em um estágio mais avançado, é possível sentir dificuldade para urinar, sensação de não conseguir esvaziar completamente a bexiga e presença de sangue na urina, conhecida como hematúria. Dor óssea, principalmente na região das costas, também é sinal de que a doença evoluiu para um grau maior de gravidade.

Tratamentos:

  • Cirurgia – pode ser realizada por via retropúbica aberta (incisão abdominal); laparoscópica (pequenas incisões abdominais) ou via perineal (incisão na região do períneo).
  • Radioterapia – por meio de radiação externa, esse método tem eficácia satisfatória com o mínimo de efeito colateral.
  • Braquiterapia – método interno, leva a radiação  para o interior da próstata por meio de pequenas “sementes” radioativas.
  • Terapia hormonal – utilizada quando o câncer já se espalhou ou quando o paciente está sob radioterapia  ou fez cirurgia, para prevenir o retorno da doença.

Fontes: www.drauziovarella.com.br;

Almanaque DOC – Câncer de Próstata

 

Hospital São José desenvolve ações e participa do Outubro Rosa

De 1 a 31 deste mês, o Hospital São José (HSJ) desenvolve diversas ações alusivas ao movimento Outubro Rosa, campanha de conscientização realizada por diversas entidades no mês de outubro e dirigida especialmente às  mulheres sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama.

O movimento surgiu em 1990 durante a primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York, espalhando-se depois para outras localidades.

O principal evento desta semana no São José é uma palestra sobre câncer de mama, que será realizada dia 18, sexta-feira, às 14hs, no Centro de Estudos, com entrada gratuita. O palestrante é o oncologista Carlos Frederico, chefe do serviço de mastologia (especialidade médica que se dedica ao estudo das glândulas mamárias) do HSJ.

Durante toda semana também estão sendo realizados sorteios de brindes para todas as mulheres que fazem tratamento. “Também distribuímos laços rosa para serem usados junto ao peito durante esse mês para todos os pacientes, acompanhantes e colaboradores do Hospital, bem como marcadores de página e fitas rosa para serem colocados nos automóveis”, conta Alexandra Gallindo, uma das enfermeiras responsáveis pelo desenvolvimento do projeto.

O ambulatório de oncologia encontra-se ornamentado com bolas rosa, todas as recepções e unidades do hospital encontram-se com o símbolo (laço rosa). Durante todo o mês de outubro, as pacientes terão um dia de beleza, uma vez na semana, quando serão maquiadas e fotografadas. O resultado desse trabalho será um calendário, que será ofertado a cada uma das pacientes.

 

Nutrição é a ciência que utiliza os alimentos em prol da saúde dos indivíduos. Não é raro ouvir de um profissional de nutrição a célebre frase: “O homem deve comer para viver e não viver para comer”. Os nutricionistas se ocupam em utilizar os nutrientes encontrados nos alimentos para favorecer – no caso das dietas hospitalares – a boa recuperação dos pacientes internados.

Segundo a nutricionista Adriana Garcia, que trabalha em parceria com a também profissional de nutrição Daniele Soares de Sá no Serviço de Nutrição e Dietética (SND) do HSJ, os alimentos apresentam diversos nutrientes, cada qual com funções específicas para nosso organismo. “Os principais nutrientes contidos nos alimentos são os Glicídios e Lipídios, que são energéticos; os Protídios, que construtores e as Vitaminas e Minerais, que são reguladores. Partimos desse conhecimento para criar combinações saudáveis e opções o mais atrativas possíveis aos nossos pacientes”, diz Adriana.

Ela conta que, no Brasil, são amplamente utilizadas as “4 Leis da Nutrição”, criadas pelo médico argentino Pedro Escudero, fundador do Instituto Nacional de Nutrição em 1926, da Escola Nacional de Dietistas em 1933 e do Curso de Médicos ‘dietólogos’ da Universidade de Buenos Aires. São elas:

Lei da Quantidade: A quantidade de alimentos ingeridos deve suprir as necessidades energéticas de um indivíduo, e manter seu equilíbrio.

Lei da Qualidade: Uma dieta completa inclui todos os nutrientes necessários para a formação e manutenção do nosso organismo.

Lei da Harmonia: É a proporcionalidade entre os nutrientes.

Lei da Adequação: Alimentação deve se adequar às necessidades nutricionais do organismo, tanto para manutenção da saúde como em estados de doença; além de atender necessidades psicológicas, socioeconômicas e culturais do indivíduo.

“Com isso”, explica Adriana, “o nutricionista deve estar apto a formular dietas individualizadas, ou seja, levando em consideração os dados ponderais de cada indivíduo como peso, altura, idade, atividade física. No caso de pacientes  hospitalizados, ainda se torna relevante a patologia apresentada, bem como o fator “injúria” do paciente”. Com base nessas informações, as nutricionistas do HSJ criam dietas apropriadas a cada indivíduo, respeitando sua patologia e observando sempre as prescrições medicamentosas realizadas pelo corpo clínico.

Equipe de Terapia Nutricional Enteral e Parenteral - cuidado intensivo com pacientes internados.

A manutenção ou restauração de um estado nutricional adequado é um aspecto importante para o restabelecimento da saúde. No doente hospitalizado, a desnutrição pode se instalar rapidamente devido ao estado de hipercatabolismo (desordem endócrina criada por níveis elevados de cortisol no sangue) que acompanha as enfermidades, traumatismos e infecções, em resposta ao estresse metabólico que ocorre nestas condições, principalmente quando a ingestão nutricional é insuficiente.

Para promover a interação das equipes multiprofissionais que atuam no cuidado ao paciente foi criada a Equipe Multidisciplinar de Terapia Nutricional Enteral e Parenteral, composta por médico, enfermeiros, nutricionistas e farmacêutico. Essa equipe tem como principal objetivo trazer discussões acerca dos casos clínicos mais importantes, além de focar em melhorias que possam ser aplicadas dentro da unidade hospitalar e que estas possam influenciar positivamente o resultado do trabalho desenvolvido pela equipe.

 

Hotelaria Hospitalar – prezando o conforto e a segurança de nossos pacientes

Para muitos, o hospital é um espaço que se responsabiliza apenas pelo tratamento clínico do paciente. No HSJ, no entanto, o espaço hospitalar é o resultado de um trabalho de equipe com vários departamentos que se complementam. E um dos serviços que o HSJ tem aperfeiçoado gradualmente é a Hotelaria. “É uma área que faz parte de um novo segmento de mercado, e vem se tornando cada vez mais importante para o bem-estar, conforto e segurança tanto dos pacientes como dos profissionais”, explica Sandra Veríssimo, Coordenadora de Hotelaria.

A Hotelaria Hospitalar integra equipes como a manutenção, a jardinagem, o estacionamento, áreas de alimentação e nutrição entre outros. Mas o foco do departamento tem sido a Higienização, que conta com 43 funcionários exclusivos da área, bem como Rouparia – que tem 17 profissionais trabalhando diariamente dando o seu melhor para acompanhar um processo de melhorias.

Na Higienização, o HSJ trabalha em plena conformidade com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), usando carros funcionais completos, produtos padronizados com plano de higiene e ficha técnica, EPI (Equipamentos de Proteção Individual) e EPC (Equipamentos de Proteção Coletiva) com certificado de aprovação, DML (Depósitos de Material de Limpeza) reformados com instalação de armários para acondicionamento de materiais e produtos, bem como registros de treinamento.

Mas é na rouparia que as novidades são mais empolgantes. Em outubro de 2011 o HSJ solicitou auxílio da JS Consultoria em Hotelaria Hospitalar com o objetivo de realizar a implantação e reestruturação da gestão da área. Com a nova estrutura de trabalho do setor de rouparia e lavanderia os pacientes podem contar com um enxoval padronizado, adequado, atendendo ao quantitativo a cada 24 horas, com rotinas que possibilitam o fornecimento apropriado e ágil das peças por setor.

As iniciativas tomadas representam atualmente 45% da nova proposta de serviços  de Hotelaria Hospitalar, o que já é uma grande conquista, dando a certeza de que este é o caminho certo rumo à melhoria da Qualidade. “O cliente quer ciência e tecnologia, mas também conforto, segurança e muito acolhimento, além da grande expectativa de encontrar algo mais nos diversos detalhes da prestação de serviço hospitalar”, comenta Sandra, que acredita na rápida e completa adaptação desde novo processo de evolução do HSJ.

Dia Nacional do Combate ao Glaucoma

Uma doença que atinge mais de 60 milhões de pessoas no mundo, sendo que pelo menos um milhão são brasileiros: O Glaucoma!

Caracteriza-se por uma degeneração do nervo ótico devido à pressão intraocular elevada e é a maior causa de cegueira irreversível no mundo.

Por estas razões, é imprescindível saber o que podemos fazer para evitar este problema e manter a nossa saúde ocular em dia.

As questões abaixo têm três opções de resposta. Assinale a que lhe parece mais correta e confira os resultados nas soluções que estão no final do questionário:

 

1.       Devo ir ao oftalmologista…

a)       Uma vez por ano.

b)       De dois em dois anos.

c)        Só quando percebo algum problema ocular.

 

2.       O stress pode desencadear o glaucoma?

a)       Só em pessoas com idade mais avançada.

b)       Não.

c)       Sim.

 

3.       Com atenção ao glaucoma, os exercícios físicos devem ser…

a)       Regulares, pelo menos três vezes por semana.

b)       Esporádicos, não se devem fazer esforços desnecessários.

c)       Intensos e diários.

 

4.       A ingestão de líquidos como a água, pode prejudicar…

a)       Em nenhuma hipótese, a água só faz bem à saúde.

b)       Se ingerido em grande quantidade em pouco tempo.

c)       Se bebidos poucas vezes ao dia.

 

5.       Esforços como encher balões, ou tocar instrumentos de sopro como saxofone…

a)       São inofensivos.

b)       São muito prejudiciais.

c)       Ajudam na estabilidade do paciente com glaucoma.

 

6.       Para quem tem glaucoma, exercícios como o Yoga são…

a)       Prejudiciais, principalmente nas posições invertidas.

b)       Aconselháveis, pela serenidade e equilíbrio que devolvem ao corpo.

c)       Indiferentes.

 

7.       Em pessoas que sofrem de hipertensão e/ou diabetes, o aparecimento de glaucoma…

a)       É menos provável.

b)       É mais provável.

c)       Tem igual probabilidade que me pessoas saudáveis.

Resultados:

1-A; 2-C; 3-A; 4-B; 5-B; 6-A; 7-B;

Fonte: www.minhavida.com.br

 

 

Por Claudia Ferreira

Semana da Enfermagem 2013 no HSJ

Semana da Enfermagem 2013

Por Claudia Ferreira

O Assistente Social no HSJ – Uma missão de valor

João e Bárbara, Serviço Social do HSJ

No HSJ o departamento de Serviço Social é quase como um anjo da guarda, a gente não vê com frequência, mas ele está lá para nos orientar. Numa agradável conversa com o João Amorim, um dos três membros dessa equipe tão especial, na qual Renata Freitas é a coordenadora, ele explicou como funciona o trabalho de um assistente social e sua rotina dentro do São José.
“O Serviço Social aqui funciona através de uma demanda espontânea. Somos procurados diariamente por pacientes e familiares para resolver questões que nem sempre têm relação só com os direitos sociais de pacientes e acompanhantes, mas a gente faz também uma visita semanal de leitos, onde procuramos atender a necessidades especiais dos pacientes, tentando fazer com que sua estadia aqui seja a melhor possível.”.
João segue uma rotina diária que começa às 9h da manhã pegando nos processos organizados pela Bárbara Ramos, secretária da equipe que chega mais cedo e trata de toda a parte burocrática dos pedidos de orientação que chegam até eles. Começam por resolver as questões por ordem de urgência e por aí segue o dia de trabalho.

Mas os nossos Assistentes Sociais vão além da simples rotina. A administração do Hospital conta com essa equipe para o gerenciamento de projetos sociais em setores de extrema importância no HSJ, como a Oncologia e a Nefrologia. “O SUS é o nosso setor de atuação por excelência. Trabalhamos muito com os pacientes do SUS visando sempre o direito social à saúde, incluindo aí o nosso trabalho com os pacientes da Oncologia e da Nefrologia. Mas claro que também prestamos os nossos serviços a pacientes de convênios.”.

Símbolo e Significados do Serviço Social

Mas o Assistente Social não desempenha um trabalho meramente burocrático. Estes profissionais lidam todos os dias com pessoas que estão num nível de estresse muito elevado pelo fato de estar num ambiente hospitalar, que provoca naturalmente vários medos e angústias que criam situações críticas, como desabafos, em casos mais extremos até violência verbal, “mas é com o nosso trabalho de apoio e assistência que se consegue remediar várias situações complexas que se criam no ambiente hospitalar.”.

João explica também que o Serviço social muitas vezes é mal divulgado, “muitas vezes o usuário, ou o próprio funcionário do hospital, não sabe que existe, ou se sabe não tem noção para o que serve o nosso trabalho. Nesse aspecto, o apoio e colaboração da administração do HSJ têm sido muito importantes, porque quando a gente vê a extensão da demanda no nosso departamento, é sinal que o nosso trabalho está sendo bem feito e é reconhecido, pena que não é assim em todos os lugares.”.

E são várias as situações e peripécias com que esta jovem equipe lida todos os dias. “Já tivemos um paciente que é travesti internado pelo SUS. Como se lida com essa situação? Porque o paciente ficou internado numa ala masculina. Como vão reagir os outros internados? E os funcionários, como vão lidar com essa situação? Pode haver preconceito. Ou no caso de pacientes com HIV. Muita gente não está totalmente informada sobre a doença, não sabem que é um paciente normal, que exige apenas alguns cuidados especiais, mas que pode estar no mesmo ambiente que outros pacientes. Esse é o nosso trabalho, gerenciar essas situações.”.

O Serviço Social funciona das 8h às 18h. O atendimento é feito pelo João, pela Bárbara e pela recém-chegada estagiária Elisabethe Cabral. Dia 15 de Maio é o dia deles, mas o valor do seu trabalho deve ser reconhecido todos os dias.

O HSJ dá aos seus Assistentes Sociais os parabéns e um “Muito Obrigado” pelo excelente trabalho realizado!

Por Claudia Ferreira

Eu sou 12 por 8

A campanha começou em 2010, comemorando o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial. Três anos depois, “Eu sou 12 por 8” é o lema da Sociedade Brasileira de Cardiologia, que continua tendo como objetivo conscientizar a população sobre os riscos de ser Hipertenso e os benefícios de levar uma vida saudável com níveis de tensão dentro da média considerada normal.

São muitos os embaixadores desta iniciativa, com destaque para vários artistas e outras personalidades conhecidas da mídia.

Aproveite, já que este mês comemora-se o não só o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial (26), mas também o Dia Mundial da Saúde (7). Só bons motivos para você pensar um pouco mais no seu bem-estar!

Acesse o site www.eusou12por8.com.br e saiba tudo o que é necessário sobre a saúde do seu coração da forma mais simples e descontraída!

 

Por Claudia Ferreira

Dia da Saúde e Nutrição

Todos os dias são bons dias para você pensar na sua saúde. Mas no dia 30 deste mês de Março celebra-se a Saúde e a Nutrição. Por isso é só mais um motivo para você prestar atenção e descobrir se está fazendo as opções corretas.

Cada resposta equivale a um valor. Responda, some seus valores e veja os resultados no final do questionário. Vamos testar?

 

1. Ao pular da cama, você se alimenta de que maneira?

a) Não como nada de manhã. (1)
b) Tomo só um café preto. (2)
c) No café da manhã, não dispenso pães e cereais nem leite ou queijo. (3)
d) Frutas, pão integral, queijo e leite nunca faltam no meu café da manhã. (4)

 2. O que você come entre as refeições?

a) Não faço lanche para não engordar. (1)
b) Sempre belisco algo quando a fome aperta. (2)
c) Como alguns biscoitos ou uma fruta. (3)
d) Não importa aonde eu vá, sempre carrego um sanduíche. (4)

 3. E como é o seu almoço?

a) É a refeição mais adequada para comer carboidrato, por isso como sempre mais de uma fonte desse nutriente. (2)
b) Eu me sirvo de vegetais, um pouco de arroz e feijão e carne ou ave grelhada. Só não resisto a uma belo doce de sobremesa. (3)
c) Encho meu prato de salada, não dispenso um grelhado e uma porção de arroz ou de massa. Às vezes, para completar, tomo um suco de fruta. (4)
d) Tento ficar apenas na salada de folhas. (1)

4. E como é o seu jantar?

a) À noite eu como pouco ou tomo uma sopa. (4)�
b) É a hora em que sinto mais fome. Eu costumo comer muitas fontes de carboidrato no jantar. (1)
c) Como um pouco de tudo, menos carboidrato. Nunca como carboidrato depois das 6 da tarde. (2)
d) À noite, muitas vezes como um sanduíche. (3)

5. Para terminar o teste, o que você faz quando bate aquela vontade louca de adoçar a boca? 

a) Devoro um chocolate diet ou uma barra de cereal (1)�
b) Eu como uma porção de compota com queijo. (4)
c) Se está calor, eu aproveito e tomo um picolé. (3)
d) Aí não resisto e como um pedaço de bolo. (2)

 

Resultados:

De 5 a 10 Pontos – Você Está precisando mudar seus hábitos alimentares. Comer pouco não é a solução para emagrecer ou ser saudável, mas sim comer bem! O segredo é comer um pouco de tudo, preparar refeições o mais naturais possível, sem aditivos e conservantes, e seguir sempre a escala de maior para menos, ou seja, comece seu dia comendo bem (BEM não é quantidade, mas qualidade) e vá diminuindo o tamanho das refeições até o final do dia. Ingerir muita água ajuda na digestão e controla a fome gulosa!

 De 11 a 15 Pontos – Ainda tem algumas coisas para aprender, mas você está num bom caminho! As besteirinhas pontuais na sua alimentação não são o problema. Você só não pode deixar que a exceção vire regra. A alimentação é fonte de nutrição, mas também fonte de prazer. Não deixe que a sua seja fonte de tristeza ou depressão. Você tem que gostar do que está comendo!

 De 16 a 20 Pontos – Parabéns!!! Você sabe se cuidar e gosta disso! A variedade de alimentos, principalmente frescos e orgânicos, é a chave para uma alimentação saudável. Provavelmente, você segue a regra do “pouco várias vezes ao dia” e nunca passa fome porque sabe balancear suas necessidades. Continue assim e vai ter resultados incríveis sempre!

Por Claudia Ferreira

Dia Nacional da Síndrome de Down

Já foi tema de novela, já foi tema de cinema e é tema de vários estudos científicos e educacionais: A Síndrome de Down.

Dia 21 deste mês é um dia em que a nação Brasileira homenageia os portadores da Trissomia. Por isso, o nosso canto da cultura dá algumas sugestões literárias e de entretenimento para que você fique sabendo mais sobre essas pessoas tão especiais!

  

 

Não deixe também de ver a premiada produção brasileira “Colegas”, com três protagonistas nada menos que sensacionais atores, que nos guiam pela vida do jovem portador da Sindrome de Down e todas as aventuras que estas pessoas podem disfrutar, nós nem imaginamos!

Por Claudia Ferreira

Dia Nacional da Mamografia

A mamografia é uma radiografia das mamas, realizada por um mamógrafo. É feita uma compressão das mamas para visualizar pequenas alterações, o que permite descobrir o câncer de mama em fase inicial.

Os resultados da mamografia são dados numa classificação chamada BI-RADSque pode variar do nível 0 (zero), ao nível 6 (seis), conforme está explicado no quadro.

Existe também a ultrassonografia mamária, um exame ultimamente muito pedido para mulheres mais jovens. É um exame semelhante ao ultrassom abdominal, mas nos seios e é indolor, ao contrário da mamografia, que pode causar certa dor. Mas, infelizmente, esse exame não é o suficiente para detectar o câncer, sendo extremamente necessário a qualquer mulher a partir dos 40 anos realizar uma mamografia por ano, ou a partir dos 35 se tiver histórico do câncer de mama na família.

Dia 5 deste mês é o Dia Nacional da Mamografia. Agora que você já sabe a importância básica deste exame, não perca tempo e previna-se!

Por Claudia Ferreira

Votos de Boas Festas do HSJ

 

Por Claudia Ferreira

Colaboradores do HSJ em prova de fogo

Colaboradores recebem instrução para resgate

Já é parte da agenda anual do Hospital e, este ano, não foi diferente. O 16º Corpo de Bombeiros Militar do Rio de Janeiro, em Teresópolis, recebeu durante dois dias os colaboradores do HSJ, a fim de realizar o treinamento de combate a incêndios que é obrigado por lei oferecer a todos os funcionários do hospital.

Durante quatro dias alguns membros do corpo de bombeiros vêm ao HSJ para dar instrução teórica, finalizando com uma prova escrita, para que na prática todos os colaboradores estejam cientes das regras básicas desta ação e tomem os devidos cuidados.

Técnica de resgate individual

Cerca de 20 dias depois da prova teórica, foi a vez dos colaboradores se deslocarem até ao Corpo de Bombeiros para passar pelas provas práticas dentro da estrutura oferecida pelo Batalhão.

Para começar, os colaboradores aprendem as formas mais rápidas e eficazes de resgate a vítimas inanimadas, ou com dificuldades locomotoras.

“São técnicas seguras, não só para a vítima, que estará ferida ou desmaiada, mas também é importante que seja seguro para quem vai resgatar, porque não queremos que essa pessoa se torne em mais uma vítima”, explica Fragoso, um dos bombeiros/instrutores do treinamento.

Montagem de mangueira de água

É também feita uma revisão da utilização da mangueira de água que existe em qualquer edifício de frequência pública, incluindo o Hospital, passando pela sua montagem, posicionamento e ativação em caso de incêndio.

Em outra fase do treinamento é exemplificado como extinguir uma fuga de gás em ambientes como a cozinha, atuar frente a um fogo local antes que este se espalhe com o abafamento de uma panela em chamas, bem como utilizar corretamente diferentes tipos de extintores para os diversos tipos de fogos.

Utilização da mangueira de água

No final da tarde aconteceu a prova mais esperada pelos mais ousados e aventureiros: entrar na casa da Fumaça. Num pequeno espaço fechado, preparado para este tipo de prova, cria-se uma quantidade de fumaça no interior. O objetivo é que um grupo entre na casa por uma porta, encontre a vítima inanimada e saia com todos em segurança pela porta oposta. “É uma prova mais arriscada, porque há o contato direto com a fumaça, num ambiente escuro, fechado e muito quente, o que pode gerar pânico. O objetivo é passar para o grupo a importância de manter a união, o espírito de equipe é essencial nesta prova”, conta Ferreira, outro dos instrutores do batalhão.

Extinção de fuga de gás

No início de Janeiro de 2013 será iniciada pelo Serviço Especializado em Engenharia de Segurança Medicina do Trabalho (SESMT) uma série de rondas pelo HSJ com grupos de colaboradores, para que se recorde onde estão no hospital os pontos de encontro para uma situação de crise, onde se localizam as mangueiras de água e os extintores de cada setor e como chegar às escadas de emergência do edifício principal do São José.

Extinção de fogo com extintos portátil

“É algo complementar ao treinamento que se torna essencial à sobrevivência de todos no hospital, por isso não vamos perder tempo!”, afirma Hercília do SESMT, que espera poder contar com a colaboração de todos os colaboradores para dar continuidade a esta ação.

Por Claudia Ferreira

Doar Sangue: um ato de solidariedade humanitária

A campanha é nacional, mas totalmente semelhante ao apelo que se faz em todo o mundo. Doar sangue é um ato simples, rápido e, acima de tudo, solidário. Ainda assim a média de doadores de sangue voluntários no nosso país está abaixo da média estabelecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como sendo a apropriada para cada país.

No HSJ o banco de sangue recebe uma média diária de 10 voluntários doadores de sangue, um número nada mau, tendo em conta as dimensões da cidade. Ainda assim, Dra. Renata, atendente do serviço de Hemoterapia do São José, conta que ainda não há muita consciência em relação a este problema, “as pessoas pensam que só têm que doar quando alguém precisa, mas não funciona assim, não é um sistema de demanda, é um banco de sangue, precisamos de doações sempre”, afirma Dra. Renata.

Para manter os doadores atuais, o serviço de Hemoterapia do HSJ telefona para a lista de cadastrados para voltarem após o período mínimo entre doações, tentando acrescentar mais à sua lista expandindo os contatos a amigos e familiares desses voluntários. E é muito importante referir que o banco de sangue do HSJ fornece também para o Hospital das Clínicas de Teresópolis (HTC), daí a necessidade de angariar voluntários ser muito grande.

E é tão fácil apoiar essa causa! Veja abaixo os passos principais para executar sua doação.

 

 

Para doar você tem que:

  • Ter entre 18 e 67 anos de idade;
  • Ter uma saúde considerada normal;
  • Não tomar medicamentos fortes com frequência regular;

Aí, basta aparecer no Centro de Hemoterapia do HSJ (do lado do Centro Médico), apresentando um documento de identidade com foto.

Você vai responder rapidamente a algumas perguntas básicas sobre sua saúde, uma espécie de triagem para saber se você pode ou não ser doador. Se estiver liberado, você fará sua primeira doação.

 Serviço em funcionamento:

  • Das 8h às 12h, de 2ª a 6ª feira;
  • Das 8h às 11h da manhã aos sábados;

 

Uma amostra do seu sangue vai para análise num laboratório do Rio de Janeiro, para possível identificação de doenças mais complexas que impossibilitem a sua doação.

“Muitas pessoas nem sabem que são portadoras de certas doenças até aparecerem aqui para doar. A maior parte dessas pessoas apresenta Hepatite B, que exclui automaticamente o seu registo do banco de sangue”, explica Dra. Renata. Por isso, doar sangue pode fazer a diferença não só na vida de outras pessoas, mas até mesmo na sua.

Uma curiosidade é a carência de fator Rh NEGATIVO, que representa apenas 15% dos nossos doadores. Por isso, se você sabe que tem um tipo sanguíneo raro, não hesite, Procure um centro de Hemoterapia e abrace esta causa! Dar Sangue é Dar Vida!

Por Claudia Ferreira